Manaus

Pandemia

Primeiro dia de abertura do comércio é marcado por filas e aglomeração

A medida que estava suspensa desde o dia 2 de janeiro, retornou nesta segunda


Jeysy Xavier
22/02/2021 às 13h43min


O primeiro dia de abertura do comércioserviços não essenciais no Centro de Manaus foi marcado por trânsito, aglomeração, filas e muita gente fazendo compras. A medida que estava suspensa desde o dia 2 de janeiro retornou nesta segunda-feira, 22, porém conforme decreto, deve mantido o distanciamento, o uso da máscara e a obrigatoriedade do álcool em gel nos estabelecimentos.

Esse retorno levou muita gente a procurar o Centro da cidade para resolver pendências, fazer trocas e pagar contas, o que gerou um grande número de pessoas em filas, desrespeitando todas as medidas de enfrentamento contra a Covid-19. Durante o tempo que a equipe de reportagem do Portal Norte de Notícias esteve no local não havia policiamento e nem fiscalização para conter a aglomeração. 

A aposentada Ivanete de Oliveira, 74, contou que precisou ir ao Centro para pagar uma conta, pois não sabe fazer o serviço pela internet. "Eu precisei vir pagar uma conta, estava esperando todo esse tempo para fazer o pagamento pois não sei fazer pela internet. Mas já estou indo embora", disse.

As empresas de telefonia também estão sendo muito procuradas nesse retorno. A Maria Laide, 70, relatou que precisava resolver um problema do chip que comprou e esse serviço só pode ser feito de forma presencial. "Eu vim resolver o problema no meu chip, porque pelo telefone não resolve nada e disseram que eu tinha que vir aqui", relatou.

Ambulantes

Os trabalhadores informais enxergam esse retorno como uma oportunidade de renda, após passarem um mês e vinte dias sem poder trabalhar. É o caso do trabalhador informal  Gildo Sousa que precisou contar com a ajuda de parentes para sobreviver enquanto o comércio esteve fechado. "Passei um mês e vinte três dias sem trabalhar, sobrevivendo com a ajuda dos outros, mas espero que esse retorno seja bom para todo mundo e que essa vacina chegue logo também", contou.

O Eldo Gomes, 52, vende alhos e contou que espera que esse retorno seja certo e que agora e não feche mais, pois estava muito difícil e as expectativas é que tudo melhore. "Eu espero que seja um retorno verdadeiro mesmo, e que não feche novamente, pois precisamos trabalhar", disse.

Sem vacina e com o comercio aberto, o número de contaminação em Manaus segue alarmante, onde só na capital mais de 7 mil pessoas morreram vítimas da Covid-19.

Comentários