Amazonas

Ameaça

Pela primeira vez, terras indígenas preservadas aparecem no mapa de desmatamento

Mais de 400 indígenas vivem nessas terras


Da Redação/ Observatório BR-319
14/09/2020 às 15h10min

- Foto: Internet


O boletim de monitoramento do Observatório da BR-319, divulgado no último dia do mês de agosto, mostrou dados alarmantes que preocupam indígenas e pesquisadores. Terras indígenas preservadas, que não tinham histórico de desmatamento há 10 anos, apresentaram áreas de floresta derrubada. Essas terras  são monitoradas desde janeiro de 2010 e até então estavam intactas.

Segundo o relatório, quatro terras indígenas apresentaram desmatamento: Alto Sepatini (Lábrea), Paumari do Cuniuá (Tapauá), Paumari do Lago Manissuã (Tapauá) e Setemã (Borba, Novo Aripuanã). Ao total, somando as quatro regiões, o desmatamento equivale a 9 hectares.

Mais de 400 indígenas vivem nessas terras, se o desmatamento florestal aumentar pode colocar todos eles em risco.

Em entrevista feita pelo Observatório, Nilcélio Jiahui, liderança indígena e membro da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), falou sobre as invasões que causam o aumento do desmatamento.

 “Desde março de 2020, quando começou a pandemia, o desmatamento aqui na região vem aumentando por conta das invasões das Terras Indígenas. Nós ficamos à mercê dos invasores. Estamos totalmente abandonados pelos órgãos de gestão. Não há fiscalização”.


Leia matéria sobre as queimadas na Amazônia:

Dia da Amazônia: temos o que comemorar?

Comentários