Coluna Pimenta e Refresco

Não é de hoje a reclamação da falta de estruturas para as categorias de base de futebol amazonense. Desde a década de 1980, pouquíssimos jogadores formados aqui, brilharam aqui. São anos de sacrifícios desses atletas e além, família e amigos que compartilham do sonho de verem um jogador nosso representando nosso estado.


Mas as dificuldades de no dia-a-dia treinarem e estudarem, se alimentarem entre todos os pré-requisitos elementares para quem quer ser um atleta profissional, perdem para a teimosia dos dirigentes esportivos (cartolas), que aqui no Amazonas já chegaram a terceirizar a categoria de base.


O absurdo é tão grande, que um time inteiro, em determinada competição, ficou  “à deriva” no aeroporto de São Paulo, enquanto providenciavam as passagens para voltarem. E não foi a primeira vez que ocorreu. Em 1992, no aeroporto de Cumbica em Minas Gerais, após a Taça Belo Horizonte, pelo menos 10 atletas passaram 24h à espera da volta. Isso revela como as categorias de base são pensadas no Amazonas. Enquanto nos outros estados, os atletas da base são encarados e gerenciados como investimento, no Amazonas são considerados “peso”.


A analise é superficial. Se aprofundarmos os exemplos, o problema cresce mais ainda. Mas em cima desse pouco que apontamos, podemos questionar: Porque os atletas amazonenses não servem para o futebol profissional do Amazonas, mas conseguem brilhar fora do Amazonas ? E a resposta é resumida em uma palavra: “Cartolagem”. 


Para um ou mais exemplos, a resposta será a mesma. A cartolagem do futebol amazonense continua com o mesmo “modus operandi” do século passado, sem planejamento, sem profissionalismo, cheia de autoritarismo e interesses por parte de quem toma decisões. A cartolagem continua sendo o maior fornecedor de jogadores de futebol para as fabricas do distrito industrial de Manaus. E aqui é assunto para mais algumas laudas, cheias de exemplo, de revolta, de decepções e outros sentimentos ruins, gerados pelas decisões dos nossos cartolas.

E infelizmente para o nosso futebol, esse ciclo vicioso é permanente e renovável. É isso mesmo ! A Cartolagem no futebol amazonense, ao mesmo tempo que se eterniza, se renova !  E o nosso futebol não consegue atravessar o rio, para um porto onde já teve cadeira cativa.  Falta talento aos nossos meninos ? Não.    Falta apoio das famílias dos atletas ?  Não !  O que falta é força , para a implosão da sala que reúne os nossos presidentes e gerentes de futebol.


Enquanto isso , o nosso Junior brilha na Coreia do Sul. O nosso Maradona brilha no Marrocos. O nosso Celino brilha na Europa , renovando a esperança de dias melhores para quem escolhe o difícil caminho do futebol no Amazonas.

Nailson da Costa de Castro

Futebol Amazonense

Destaques

Projeto

PL inclui matéria sobre violência doméstica nos cursos de agentes de segurança

Projeto de Lei

Proposta define pichação como crime e prevê pena de detenção

Música

Lorenzo Fortes em nova fase, grava seu primeiro DVD “ATEMPORAL”

Oportunidade

Talent Show oferece imersão empreendedora a novos talentos em Manaus