image


Senado

CCJ aprova mudanças eleitorais, mas barra volta das coligações

Para que tenha validade para a eleição de 2022, o texto precisa ser aprovado em 10 dias
image Crédito: Divulgação/Agência Senado - A relatora da PEC da reforma eleitoral, Simone Tebet, na reunião da CCJ nesta quarta
Fonte: Portal Norte de Notícias - Há 3 semanas

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou nesta quarta-feira, 22, a proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma eleitoral (PEC 28/2021), mas rejeitou a volta das coligações nas eleições proporcionais.

Entre os trechos mantidos, está um dispositivo para incentivar candidaturas de mulheres e negros. Aprovada em agosto pela Câmara dos Deputados, a proposta segue para votação no Plenário, que deve ocorrer ainda hoje.

Segundo o presidente da CCJ, Davi Alcolumbre (DEM-AP), acordo envolvendo o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e líderes prevê a votação da matéria em dois turnos na sessão plenária desta quarta-feira.

_________________________________

RELACIONADAS

Ministro da CGU diz que senadora estava 'descontrolada', e sessão é suspensa após confusão

No Senado, Greta diz que gestão ambiental no Brasil é 'vergonhosa'

Após atos antidemocráticas, presidente do Senado suspende sessões da semana

________________________________

Segundo a relatora, Simone Tebet (MDB-MS), as coligações distorcem a vontade do eleitor, ao eleger candidatos com orientações políticas diferentes daqueles escolhidos, além de aumentarem a fragmentação partidária e dificultarem a governabilidade.

"O eleitor sempre sabe em quem vota; nunca sabe, contudo, a quem seu voto ajudará a eleger. Muitos partidos implicam muitos acordos, num investimento maior, portanto, de tempo e recursos políticos para construir e manter coalizões governamentais. O resultado pode ser paralisia decisória, descontentamento dos eleitores, perda de legitimidade dos governos", disse.

O senador Alvaro Dias (Podemos-PR) manifestou apoio ao relatório de Simone, mas lamentou o escasso tempo para análise do texto no Senado.

As coligações em eleições proporcionais estão proibidas desde a promulgação da Emenda Constitucional 97, de 2017, e já não valeram nas eleições municipais de 2020.

Segundo senadores, a ideia é promulgar apenas parte da proposta encaminhada ao Senado, o que descartaria eventual retorno da PEC para a Câmara. 'Fatiar' emendas e promulgar partes consensuas é um recurso utilizado desde 2001.

Entre os trechos aprovados pelos deputados e que foram bem recebidos pelos senadores, está a contagem em dobro dos votos dados a candidatos negros, índios e mulheres, para efeito da distribuição dos recursos dos fundos partidário e eleitoral nas eleições de 2022 a 2030.

"Parece ser um mecanismo eficiente para estimular os partidos a incluírem nas listas de candidatos nomes competitivos de mulheres e de negros. Afinal, os votos por eles obtidos redundarão, a partir do ano seguinte à eleição, num volume maior de recursos repassados mensalmente para o partido", apontou Simone Tebet.

O texto precisa ser promulgado até 2 de outubro para que as regras tenham validade nas eleições de 2022.

___________________________

ACESSE TAMBÉM

As mais lidas do dia

No Pará, mulher é presa por aplica golpes de mais de R$ 10 milhões

 

Caixa paga nesta quarta o auxílio emergencial para nascidos em fevereiro

 

PF deflagra operação para apurar fraudes na concessão de benefícios de Auxílio-reclusão em Itacoatiara-AM

 

Manaus tem 40 pontos de vacinação contra Covid-19 até a próxima sexta-feira

 

Concurso Banco do Brasil: candidatos já podem acessar os locais de provas

Tags
image