image


Silêncio

Senado vai recorrer do HC concedido a Wilson Lima, diz presidente da CPI

Para Omar Aziz, governador perdeu uma grande oportunidade de esclarecer os fatos na comissão
image Crédito: Agência Senado
Fonte: Valéria Costa - Há 1 semanas

O presidente da CPI da Pandemia, Omar Aziz (PSD), afirmou que o Senado vai recorrer da decisão da minsitra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, em que concedeu um Habeas Corpus ao governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), na noite desta quarta-feira, 9, dando o direito ao chefe do Executivo estadual de ficar calado na CPI ou mesmo de não comparecer à sessão. "Respeitamos a decisão de (Rosa) Weber, mas acredito que o governador do Amazonas perde uma oportunidade, única, de esclarecer ao Brasil e, principalmente, ao Estado do Amazonas, sobre os fatos", disse Omar.

Segundo o senador a CPI não vai cessar a "busca pela verdade".

Omar reforçou sua declaração e disse que Wilson perde a "uma oportunidade grande na sua vida, não só como homem público, mas na sua história, para explicar de fato, quem são os responsáveis pelo que fizeram com seu povo, com meu povo, às pessoas que perderam parentes e amigos".

Sem citar nomes, Omar afirmou que, neste momento, não dá para proteger alguém e mandou um recado que espera que o ex-secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, compareça ao seu depoimento, agendado para a próxima terça-feira, dia 15.

Em um aparte, o senador pelo Amazonas, Eduardo Braga (MDB), membro da comissão, afirmou que, quem não deve não teme e lembrou caso semelhante de HC concedido ao ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que foi à comissão e respondeu às perguntas na medida em que lhe eram convenientes.

"Se ele (Wilson Lima) viesse, não seria obrigado, ele poderia ficar calado, ele poderia vir. Tinha dinheiro, mas mesmo assim tivemos a falta de equipamentos, oxigênio. Respeitamos a decisão da Rosa Weber e esperamos que o ex-secretário possa vir prestar exclarecimento", disse Braga.

Outros membros da CPI também se manifestaram a respeito da postura do governador do Amazonas e se questionaram se essa decisão pode alcançar os outros oito governadores convocados à CPI. 

O senador bolsonarista, Marcos Rogério (DEM-RO)), também criticou o fato e defendeu o governo federal.

Tags