image


Agricultura

Nhamundá e Parintins recebem ações contra a mosca-da-carambola

Sem riscos à saúde das pessoas, a praga é por outro lado uma grave ameaça à economia do país
image Crédito: Divulgação
Fonte: Da Redação - Há 5 dias

A Agência de Defesa Agropecuária e Floresta do Estado do Amazonas (Adaf) iniciou os trabalhos de monitoramento da praga quarentenária presente mosca-da-carambola (Bactrocera carambolae) nos municípios de Nhamundá e Parintins. Na última quinta-feira, 17, foi realizado em Parintins o reforço no treinamento e repasse de materiais para início do monitoramento. Na ocasião, estiveram presentes as equipes das Unidades Locais de Sanidade Animal e Vegetal (ULSAVs) de Parintins e de Nhamundá, e da Gerência de Defesa Vegetal (GDV) da Adaf.

O monitoramento é feito por meio de armadilhas do tipo Jackson, que utilizam feromônio para atrair e capturar insetos machos. Está prevista a instalação de 14 armadilhas no município de Parintins e oito em Nhamundá. Tais atividades atendem a convênio firmado entre o Governo do Amazonas, por meio da Adaf, com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), visando o monitoramento da praga.

A fiscal agropecuária engenheira agrônoma Emily Lira Simões, explica que o monitoramento das armadilhas será realizado a cada 15 dias pela equipe técnica das Unidades Locais treinadas pelo Mapa e pela GDV.

“O armadilhamento será realizado em lugares estratégicos, onde ocorre alto fluxo de entrada de produtos vegetais nos municípios de Parintins e Nhamundá, próximo a estradas, rios e em locais de fronteiras dos municípios do Amazonas com o estado do Pará, para monitorar a ausência da mosca-da-carambola nesses locais”, detalha.

Sem riscos à saúde das pessoas, a praga é por outro lado uma grave ameaça à economia do país. Isso porque o Brasil é o terceiro maior produtor de frutas do mundo, tendo registrado, de janeiro a abril, 28,35 mil toneladas de frutos exportados, alta de 24,61% sobre o mesmo período de 2020, segundo informações do Mapa. Se a mosca-da-carambola, que já está presente no Pará, em Roraima e no Amapá, se dispersar pelo país, os prejuízos serão enormes.

“Por isso nosso trabalho de vigilância e de educação sanitária é tão importante. Nossa atividade está protegendo a economia do país, empregos e renda”, ressalta o gerente de Defesa Vegetal da Adaf, engenheiro agrônomo Luiz Fernando da Silva.

Alerta

Em março, sete municípios do estado de Roraima foram declarados área sob quarentena para a mosca-da-carambola. O Mapa declarou quarentena para a praga nas cidades de Alto Alegre, Amajari, Bonfim, Normandia, Uiramutã, Pacaraima e Boa Vista. Desde então, está proibida a saída de frutos hospedeiros da praga a partir desses municípios. A mosca-da-carambola ataca mais de 30 espécies, como manga, goiaba, tomate, acerola, pimenta-de-cheiro, laranja e carambola, entre outras.

Ao longo de 2020, a Adaf também realizou ações de educação sanitária junto às empresas de ônibus que transportam passageiros entre Manaus e Boa Vista, com distribuição de material técnico-educacional, fixação de cartazes e conscientização de condutores, passageiros e demais colaboradores.

A mosca-da-carambola tem 8 mm de comprimento, tendo a parte superior do tórax de cor escura e o abdome amarelo, com listras pretas que se encontram formando um “T”. Suas asas são levemente amareladas e translúcidas.

Qualquer suspeita de ocorrência da praga no estado do Amazonas deve ser imediatamente comunicada aos órgãos responsáveis. Informações e denúncias podem ser reportadas à GDV/Adaf pelos números (92) 99390-1750 e 99292-0692, ou diretamente à Superintendência Federal da Agricultura no Amazonas, pelo número 0800 704 1995.  

Tags