image


Covid-19

TAC na Justiça deve formalizar acordo para testagem em massa no Amazonas

No próximo dia 22, governo, Prefeitura de Manaus e Ministério Público vão participar de audiência de conciliação sobre o tema
image Crédito: Internet
Fonte: Da Redação - Há 1 semanas

No próximo dia 22, em audiência de conciliação na Justiça, o governo do Amazonas, a Prefeitura de Manaus, o Ministério Público do Estado, além do secretário de Saúde, Marcellus Campêlo, e o diretor-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Cristiano Costa, deverão assinar um Termo de Acordo Circunstanciado (TAC) para a melhor forma de realização de testagem em massa da população contra a Covid.

Em alegações nas ações civis públicas movidas pela Defensoria Pública do Estado (DPE), ainda em 2020, o governo argumenta ser economicamente inviável essa testagem geral, haja vista que cálculos da FVS mostram que seriam necessários R$ 560 milhões para executá-la.

A testagem em massa da população vem sendo defendida desde o ano passado, ainda quando o Estado atravessou o primeiro pico de contaminações. 

O Portal Norte de Notícias voltou a questionar o governo a respeito dessa não realização e, em resposta, Cristiano Costa, da FVS, afirmou que esses exames estão sendo realizados em Manaus e no interior nas unidades de saúde.

“Todas as nossas unidades de saúde já realizam a testagem. Cerca de 25 mil testes são feitos mensalmente no Estado. Estamos trabalhando com todas as estratégias de rastreamento e monitoramento e atentos a qualquer mudança. No início da segunda onda chegamos a nos organizar para adquirir o teste RT-PRC, mas o dinheiro precisou ser destinado para outras urgências”, explicou.

O governador Wilson Lima (PSC), ao ser indagado com o mesmo questionamento pela reportagem, acrescentou que poucas cidades no mundo conseguiram testar sua população, mas que o Amazonas “continuará perseguindo essa ideia para conter a contaminação.”

Funcional

O pesquisador Lucas Ferrante explica que a testagem em massa é funcional quando existe colaboração da população e que é necessário zerar o contágio pois não existiria recursos e nem tempo para realizar o teste.

“Essa testagem é funcional quando existe colaboração. Não adianta fazer o teste e continuar tento contato com outras pessoas, para uma testagem em massa é necessário zerar o contágio do coronavírus. Uma possível terceira onda em Manaus é problemático por que faltaria insumos básicos”, observa.

A assinatura do TAC vai acontecer na 3ª Vara da Fazenda Pública, sob o crivo da juíza titular Etelvina Lobo.

Tags